"Mi dolor de exilio es tan grande que cubre todo mi cuerpo. Muevo un dedo del pie y sufro". Lejos de casa (novela) vmi

“Minha dor de exílio é tão grande que cobre todo o meu corpo. Movo um dedo do pé e sofro.”Longe de casa ( romance) vmi




Joan Baez pide por la justicia social en emocionante discurso en el Rock and Roll Hall of Fame: "Vamos juntos a rechazar y reemplazar la brutalidad y convertirla en apasionantes prioridades" Joan Baez Pleads for Social Justice in Moving Rock Hall of Fame Speech: "Let us together repeal and replace brutality and make them passionate priorities,"/ Abril, April 7 - 2017, Rolling Stone

"Vamos juntos a construir un puente, un gran puente, un hermoso puente,  para una vez más dar la bienvenida a los cansados ​​y los pobres " dijo la cantante folk


 

 


 

Después de casi 60 años de carrera, Joan Baez ha sido incluida en el Salón de la Fama del Rock and Roll. La reina del folk recibió el honor de su amigo y colaborador Jackson Browne durante la ceremonia de la noche del viernes en el Barclays Center de Brooklyn.

 La activista y cantautora se convirtió en una voz internacionalmente reconocida de la contracultura al principio de los años '60.  Canciones de su autoría como "Diamonds & Rust" se han convertido en clásicos, así como sus interpretaciones de material escrito por compañeros suyos como Browne, Leonard Cohen y Bob Dylan.

La legendaria artista utilizó su tiempo para pronunciar un apasionado discurso pidiendo justicia social. Lee su discurso de aceptación abajo.


JOAN BAEZ, MARY CHAPIN CARPENTER and  AMY RAY & EMILY SALIERS / photo by Karen O'Connor  ( Joan Baez )





RELACIONADO
Joan Baez cantó un  emocionante 'Swing Low, Sweet Chariot' en el Rock Hall
Baez también cantó canciones de The Band y  Woody Guthrie con Mary Chapin Carpenter e  Indigo Girls.
El icono de los años sesenta ayudó a inventar la idea de la cantante de protesta - más de cinco décadas más tarde, todavía está en ella







  Debo mis comienzos a los amigos y artistas folklóricos de los que aprendí  los acordes, las melodías, cómo usar los dedos para tocar la guitarra y un repertorio en ciernes. Tuve la suerte de estar otra vez en el lugar y la hora adecuados, donde conocí y era amiga de la mayoría de los ídolos del rock & roll de los años sesenta y setenta. Algunas de esas amistades las  atesoro hasta ahora. La mayoría de nosotros, en la comunidad de folk y rock, compartimos las similitudes y las diferencias de cómo llegamos a donde estamos hoy. También compartimos la conciencia de los bienaventurados y de los excéntricos, que nos acompaña en nuestra vida cotidiana, vidas que rara vez son realmente privadas. 

 Una vez un amigo me dijo,  cuando fui reconocida en la calle por un fan: "Oh, vamos. Admítelo. A tí te gusta esto".   Y yo  le dije:  "No tengo nada que admitir. Es verdad". Mi público es como  una especie de familia. Estoy en deuda con aquellos rockeros que han desaparecido hace mucho tiempo y con aquellos que viven,  que han enriquecido e iluminado mi vida, desde la época de los discos de  vinilo a  los discos digitales, y todo lo que hay en el medio, para volver al vinilo. [ Risas ]


Mis años de infancia y adolescencia estaban llenos de música clásica, country y western, rhythm y el blues, y los éxitos del momento. Cuando tenía 16 años mi tía me llevó a un concierto de Pete Seeger. Y mi mamá me regaló  un álbum de Harry Belafonte. Aunque Pete no era de ninguna manera tan hermoso como Harry, él ya estaba comprometido con la lucha por los cambios sociales. Él pagó un alto precio por mantenerse firme en sus ideales. Aprendí el significado de "tomar un riesgo" de Pete. La Guerra Fría estaba ganando terreno y abrió un período vergonzoso en este país. Mi familia ya era cuaquera, y social y políticamente activa. La influencia de Pete fue como una buena vacuna e hizo que prestara atención a la música folk y al activismo político.
  
Mi voz es mi mayor regalo. Puedo hablar libremente de la singularidad de la misma precisamente porque es sólo eso: un regalo. El segundo regalo más grande fue el deseo de usarla de la manera que lo hago, desde que tenía 16 años y me  convertí en una estudiante  y practicante de la no violencia, tanto en mi vida personal  como para  luchar por  cambios sociales. (Aplausos)   

Lo que ha dado a mi vida un significado profundo y un placer interminable ha sido usar mi voz en la batalla contra la injusticia. Me ha puesto en contacto con mi propio propósito. También me ha puesto en contacto con personas de todos los ámbitos. Con gente abierta, generosa, trabajadora, amorosa,  aquí en este país y en todo el mundo. Me ha puesto en contacto con los ricos, con los que están atrapados en el egoísmo y con los que brindan generosamente  su tiempo y sus recursos para ayudar  a los menos afortunados, e iluminan el camino para que otros hagan lo mismo. (Aplausos) 


Y me he encontrado y he intentado caminar en los zapatos de aquellos que tienen hambre, sed, frío;  la gente encarcelada por sus creencias, y las que han violado la ley, pagado su condena, y que ahora viven sin esperanza y en la desesperación . De los presos  que han pasado décadas en confinamiento solitario, en espera de su ejecución. De los refugiados exhaustos, los inmigrantes. Los que han luchado por este país, se han sacrificado, y ahora viven en las sombras del rechazo.  (Aplausos)

Gente de color,  vieja,  enferma, físicamente discapacitada, la comunidad LGBTQ. Y ahora, en la nueva realidad política y cultural en la que nos encontramos, hay mucho trabajo por hacer. Cuando la solidaridad está fallando y el compartir ha sido usurpado por la codicia y el ansia  de poder, nosotros tenemos que doblar, triplicar y cuatriplicar nuestros propios esfuerzos para ser solidarios y dar  nuestros recursos y a nosotros mismos. (Aplausos)

Vamos juntos derogar y reemplazar la brutalidad, y convertirla en apasionantes prioridades.  Vamos juntos a construir un puente, un gran puente, un hermoso puente,  para una vez más dar la bienvenida a los cansados ​​y los pobres. (Aplausos)  Y vamos a pagar por ese puente con nuestro compromiso. Nosotros, la gente, debemos decirle la verdad al poder y estar dispuestos a hacer sacrificios. Nosotros, la gente, somos los únicos que podemos crear el cambio. Estoy lista. Espero que tú también lo estés. (Aplausos)

Quiero que mi nieta sepa que he luchado contra una marea maligna, y he tenido a las masas a mi lado. (Aplausos) Cuando todas estas cosas van acompañadas de música, música de todos los géneros, la lucha por un mundo mejor, un paso valiente a la vez, se vuelve no sólo soportable, sino posible y hermosa.  Gracias de nuevo."  (Aplausos y ovación)

 
Joan Báez

Rolling Stone
April 7, 2017




 

"Let us together repeal and replace brutality and make them passionate priorities. Together, let us build a bridge, a great bridge, a beautiful bridge to once again welcome the tired and the poor" 

 

After a nearly 60-year career, Joan Baez has been inducted into the Rock and Roll Hall of Fame. The Queen of Folk was presented the honor by her friend and collaborator Jackson Browne during Friday night's ceremony at Brooklyn's Barclays Center.

The activist and singer-songwriter became an internationally known voice of the counter-culture during the early Sixties. Her original songs like "Diamonds & Rust" have become classics as well as her interpretations of material penned by peers like Browne, Leonard Cohen and Bob Dylan.

The legendary artist used her time to deliver a passionate speech pleading for social justice. Read her acceptance speech below.










"It gives me enormous pleasure to accept this prestigious and very cool award tonight. Thank you to the Hall of Fame for this somewhat unlikely induction. Especially thanks to my manager, Mark Spector, for having kept my career visible, viable and vibrant. 

I'm aware that I'm speaking to many young people who, without this induction to the Rock and Roll Hall of Fame, would have no clue who I am. [Laughter] My granddaughter had no clue who I was. [Laughter] Until I took her backstage at the Taylor Swift concert where she got a selfie, an autograph, a T-shirt and newfound respect for her grandmother. 
 
While one cannot say I'm a rock & roll artist, one cannot overlook the folk music of the 'Sixties and the immense effect it had on popular music including rock & roll. Nor can anyone overlook the roll that I played in that phenomenon. I was lucky enough to have found my voice when coffee shops were the order of the day. My first job in music was on Tuesday nights at Club 47 in Harvard Square where I sang three sets, made 15 dollars a night, all as I gleefully flunked out of college.

I owe my beginnings to the friends and folk artists whom I picked up the chords, the melodies, the finger pickings and the budding repertoire. Again, at the right place and time, I knew and was friends with most of the rock & roll idols of the Sixties and Seventies. Some of those friendships I treasure to this day. Most of us in the community of both folk and rock music share with each other the similarities and differences of how we got to where we are today. We also share the awareness of the blessed and the bizarre, which accompanies us in our everyday lives. Lives which are seldom really final. 

Once a friend said to me when I was recognized at a post by a fan on the street, "Oh, come on. Admit it. You like this." And I said, "There was nothing to admit. It was a fact." My public is a kind of family. I'm beholden to those rock & rollers who are long gone, and to those who live on who have enriched and brightened my life from vinyl to digital and everything in between and back to vinyl. [Laughter].



Related
Joan Baez Performs Thrilling 'Swing Low, Sweet Chariot' at Rock Hall
Baez also revisited songs from The Band, Woody Guthrie with Mary Chapin Carpenter, Indigo Girls

Joan Baez's Fighting Side: The Life and Times of a Secret Badass
The Sixties icon helped invent the idea of the protest singer – more than five decades later, she's still at it




 My childhood was filled with classical, country and western, rhythm and blues and a hit parade. When I was 16, my aunt took me to see a Pete Seeger concert. And my mom brought me a Harry Belafonte album. Though Pete was not in any way gorgeous like Harry, he was already committed to making social change. He paid a high price for holding fast to his principles. I learned the meaning of taking a risk from Pete. The Cold War was getting a foothold and ushering a shameful period in this country. My family was then Quaker and socially and politically active. Pete's influence on me took like a good vaccine, and I turned my attention to folk music and political activism. 

My voice is my greatest gift. I can speak freely about the uniqueness of it precisely because it's just that. A gift. The second greatest gift was the desire to use it the way I have since I was 16 and became a student and practitioner of nonviolence, both in my personal life and as a way of fighting for social change. [Applause.]  Thank you.

It has given my life deep meaning and unending pleasure, has been to use my voice in the battle of injustice. It has brought me in touch with people of every background. With open, generous, hardworking, fun-loving people here in this country and around the world. It has brought me in touch with the wealthy, the ones who are stuck in selfishness and the ones who give their generosity of their time and resources to benefit the less fortunate and light the way for others to do the same. [Applause]

And I've met and tried to walk in the shoes of those who are hungry, thirsty, cold and passed out. People imprisoned for their beliefs and others who have broken the law, paid the price and now live in hopelessness and despair. I've exonerated prisoners who have spent decades in solitary confinement, awaiting execution. Of exhausted refugees, and immigrants. Those who have fought for this country, sacrificed and now live in the shadows of rejection. [Applause]


People of color, the old, the ill, the physically challenged, the LGBTQ community. And now, in the new political, cultural reality in which we find ourselves, there's much work to be done. Where empathy is failing and sharing has become usurped by greed and lust for power, let us double, triple and quadruple our own efforts to empathize and to give our resources and ourselves.


Let us together repeal and replace brutality and make them passionate priorities. Together, let us build a bridge, a great bridge, a beautiful bridge to once again welcome the tired and the poor. And we will pay for that bridge with our commitment. We, the people, must speak truth to power and be ready to make sacrifices. We, the people, are the only ones who can create change. I'm ready. I hope you are, too.


I want my granddaughter to know that I fought against an evil tide and had the masses by my side. When all of these things are accompanied by music, every genre, the fight for a better world, one brave step at a time becomes not just bearable, but possible and beautiful. Thank you. "   [Applause.] 

Joan Báez

Rolling Stone
April 7, 2017


Joan Baez with  Snoop Dogg  / photo by Karen O'Connor   ( Joan Baez )





Read Jackson Browne's Laudatory Joan Baez Rock Hall Induction Speech

Joan Baez with David Letterman/ (photo by Karen O'Connor  ( Joan Baez )






"To track Joan Baez's involvement in human rights and social justice is to chart the evolution of our own moral awakening," singer-songwriter says



Jackson Browne inducted folk legend Joan Baez at the 2017 Rock and Roll Hall of Fame ceremony at Brooklyn's Barclays Center Friday night. Bruce Springsteen inducted Browne into the Hall of Fame in 2004 and in 2013, Browne appeared at the ceremony to help honor inductee Randy Newman.

Browne and Baez have crossed paths multiple times over the years, with Baez having covered and interpreted songs by Browne on her own albums. Last year, the folk legends performed on stage for Baez's 75th birthday celebration at New York's Beacon Theater, singing "Before the Deluge" and Woody Guthrie's "Deportee (Plane Wreck at Los Gatos)" together.

The songwriter gave a deeply personal speech about Baez, tracing her involvement in his own musical upbringing and greater contribution to social causes. Read the full speech below.






"The changes that began happening in the Sixties: the civil rights movement, opposition to the Vietnam War, the sexual revolution, the spiritual exploration and consciousness expansion, women's liberation. None of that can be separated from the folk music that was being rediscovered and brought to the forefront of popular culture. On college campuses, in coffee houses, at folk festivals, a new generation was discovering the true history of this country through the music of people who built it.

And we weren't just listening to it. We were learning to sing and play these songs that contained the hardship and the struggles of the hopes of people who had come to this country as immigrants and as slaves. [Applause]

Folk musicians began traveling to parts of the country where people still made this music and they began finding out who was actually here and that was something you couldn't find out in those days by watching TV or going to the movies. Of all the many great artists who were singing and recording this music and who embodied the search for what was real, historic and eternal, the one who suddenly emerged and came to national prominence was Joan Baez. 

From the moment she appeared in the Cambridge folk scene, she had a spellbinding effect on her audiences. In 1960, at the age of 19, she released her first album, and then a second album, and then a live album, and then she was on the cover of TIME Magazine as the face and voice of a new folk movement. 

The first record I ever bought with my own money was Joan Baez's second album. I was 14. I went down to a record store in Fullerton, out in Orange County where my I had just moved with my family from L.A., and they had a listening booth where you could play records before buying them and I saw this album with her picture on it. She looked like the girls I had grown up with in Highland Park in my old neighborhood in L.A. I went into that listening booth and right away I was taken with what was for me completely new music. Just voice and guitar, but so ethereal. Powerfully in tune. Deeply expressive. Dramatic. Hypnotic. 

By the third song, I was completely mesmerized. I took the record home and starting learning to play that third song. It was called "Lily of the West." The purity of her voice was intoxicating. Her enormous dynamics and the command she had as a singer mixed with the drama and mystery of those old songs led me into the world of folk and blues and the voice and guitar-driven narrative became the center or my musical quest for my whole life. 




Almost immediately she introduced her audience to the songs of Bob Dylan. Joan Baez gave Bob Dylan a national audience. When she began singing his songs those who had been time traveling through folk music and discovering all the human drama and the eternal truths of our shared mystery were suddenly in the present "With God on Our side." 

"With God on Our Side," this Dylan song which summarized and examined the history of U.S. wars and the supposed rationale for each of them was one of the two songs that Joan and Bob sang on their concert tour in 1963 catapulting the broad side or what is now known as the protest song into the consciousness of a whole generation. 

























"Otras Entrevistas" de viviana marcela iriart: Luisa Richter, María Lamadrid, Sandra Mihanovich, Fedra Lopez, Sonia Zilzer, Malena Muyala, Deborah Cywiner, María C. Reina, Beatrice Valenti, Paulo Borba Pinto / Ed. Escritoras Unidas & Cía. Editoras, marzo 2017







Lee gratis el libro haciendo click:







LUISA RICHTER: “La creatividad es enigmática. La vida es enigmática"


MARÍA LAMADRID, fundadora de "África Vive": “Nosotros somos los primeros desaparecidos de Argentina”


SANDRA MIHANOVICH, la leyenda: “Todos queríamos decir  “soy lo que soy”


FEDRA LÓPEZ: “El único sentimiento que me provoca la fama es el agradecimiento”


SONIA ZILZER y "Exilio a la Vida": “La memoria es el camino a la identidad”


MALENA MUYALA: “Creo que no hay actividad (…) que lleve a alguien a sentirse por encima de los demás”


DEBORAH CYWINER, directora  del corto Eugenia: "La suerte de la Animación (…) es que teniendo una pieza libre en la casa ya podés empezar a trabajar"


MARÍA CLORINDA REINA, socióloga, transcribiendo el horror del Holocausto: “Nunca podré olvidar lo que escuché mientras esté viva”


BEATRICE VALENTI: La fotógrafa de Nepal


PAULO BORBA PINTO: Brasil para principiantes: consejos para pasar las mejores vacaciones 





"Porta Aberta ao Mar" peça de teatro de viviana marcela iriart / Ed. Escritoras Unidas & Cía. Editoras, Janeiro 2017







FRAGMENTO



Argentina, aproximadamente 1990. A sala de uma casa velha. É um lugar cálido, com poucos elementos. Um janelão; um abajur de pé, apagado, quem terá uma luz muito cálida quando seja ligado; um cabide, um sofá.

É o final da tarde de um dia de inverno.

Sandra, exilada argentina de uns quarenta anos, chega à casa de Dunia, amiga da infância da mesma idade, depois de mais de dez anos de ausência.  

As duas estão vestidas informalmente, percebendo por a forma de vestir-se que são duas profissionais modernas e de sucesso.

Sandra e Dunia manterão sempre um estrito controle de suas emoções: temem esgotar-se. Podem alçar a voz, mas não gritar, rir com alegria verdadeira mas não às gargalhadas, emocionar-se até as lágrimas mas não chorar com desesperança. Nunca perdem a compostura.

O que elas receiam manifestar com palavras exprimem-no a través da dança: uma dança moderna e à vez antiga, como seus conflitos.




Ato Único
    
O cenário está na penumbra.

Escuta-se a Susana Rinaldi cantar Por que vai vir, (Porque vas a venir)  de Carmen Guzman e Mandy, até o momento no que as personagens falam.

Dunia entra pelo lateral direito, emocionada, nervosa. Senta-se, para-se, vai de um lado ao outro. Está muito contente. Quase não pode conter o riso.

Pelo lateral esquerdo faz sua aparição Sandra. Está nervosa e emocionada, mas seus movimentos são lentos e controlados. Detêm-se quando chega ao janelão, que se ilumina tenuemente com uma luz cálida. Olha para o interior mas não vê ninguém. Dunia tem saído de cena nesse momento. Avança até o proscênio

Dunia entra e não a vê. Vai até o proscênio.

Até que se indique o contrario, Sandra e Dunia atuarão como se estiveram num sonho. 

Não se olharão nem tocarão jamais. Quando falam, é como se falassem consigo mesmas.

  
“Por que você vai vir, minha casa velha
inaugura uma flor em cada grade.
Por que vai chegar, depois de tanto,
confundem-se em mim, risos e choros.

Sei que vai vir não o diz,
mas vai chegar uma manhã.
Na minha voz há um canto, já não estou triste
e entra um raio de sol por minha janela.

Porque vai chegar, de uma longa viagem,
é diferente a cor, outra a paisagem.
Tudo tem outra luz, tem outro jeito,
porque vai chegar depois de tudo.

Porque vai vir, desde tão longe,
hoje voltei olhar-me no espelho.
E como me verão, perguntava-me,
os olhos desse hoje que eu esperava.

Porque vai vir, minha casa velha,
inaugura uma flor em cada grade.
Porque vai chegar, é que espero-lhe
porque você me quer e eu te quero.
Porque vai chegar, é que eu te espero.
“porque você o quer e eu o quero.”


SANDRA (como se estivera sozinha, sem notar à Dunia)
E então pensei, terá mudado muito? Terei mudado tanto?

DUNIA (Na mesma atitude de Sandra)
Eu esperava impaciente. Olhava-me nos espelhos e perguntava-me com que olhar veria estas rugas que pegaram meus olhos sem os seus. Reconhecer-me-ia  com estes cabelos brancos que não lhe contei?

SANDRA
A rua de sua casa parecia a mesma. A laranjeira na esquina do quitandeiro, as lajotas ainda quebradas no armazém de Dom Giuseppe, a magnólia que jamais quis dar flor. Mas sobre tudo o cheiro da laranjeira que sempre anunciava a cercania de sua casa. Tudo parecia igual.

DUNIA
Sua voz ao telefone, alegre e brincalhona, outra vez cá e não lá, a mesma voz de sempre e juro-lhe, tive vontade de comer-me o auricular para comer-me sua voz para que jamais fosse embora.

SANDRA (Põe-se de costas)
Confesso: tive medo. A campainha estava ali, pequenina e lustrosa. Parece um mamilo, pensei, um mamilo que convida ao erotismo, mas não, essa campainha-mamilo convidava-me ao passado, e eu dizia: o toco, não o toco. Estendia um dedo e acariciava-o lentamente, sem pressioná-lo, não seja que se excite e soe. Meu dedo lhe recobrava em minha memória.

DUNIA (Põe-se de costas)
Eu olhava-lhe a traves do olho da porta, a qual das duas via? Os anos passavam pelo olho de vidro, não me deixavam vê-la.

SANDRA (Avança devagar de costas até Dunia)
Meu dedo seguia na campainha. Uma porta tossiu debilmente e eu a escutava. O mamilo que geme não ia ter que ser tocado. Traspassei a soleira e arrimei meu peito, meu corpo todo sobre a porta.

DUNIA (Avança lentamente de costas até Sandra)
Eu  vi-la e colei meu corpo no exato lugar onde você tinha posto o seu. Uma porta separava-nos e uma porta unia-nos. Eu estava-me afogando e pensei: não há beira perto nem salva-vidas na cercania.

SANDRA
Sua respiração na minha orelha asfixiava-me, não me deixava pensar.
Eu enlouquecia, eu desvanecia.

DUNIA
O ar de sua boca dava-me calor e eu ia enchendo-me de doçuras velhas. 
O ar de sua boca queimava-me, eu era um bonzo.

SANDRA (Se para muito perto das costas de Dunia, sem tocá-la)
Seus dedos arranhando a madeira, arranhando e gemendo, como uma gata vagabunda em ponto de parir lembranças mortas.

DUNIA
Senti que se deslizava pela porta até chegar ao chão e a alcancei para não se bater.

SANDRA
Sua costa cravava-se na minha, me atravessava. Eu sofria, eu gozava.

DUNIA
Você chorava, você que jamais chorava, com um choro que não lhe conhecia.

SANDRA     
Você chorava e suas lágrimas tinham a mesma dor que sempre lembrava.

 DUNIA
Escutei-lhe dizer: por fim há voltado.

SANDRA
E escutei-lhe contestar: por fim hei regressado.

Susana Rinaldi canta “O coração ao sul  (El corazón al sur) de Eládia Blázquez. Sandra e Dunia miram-se por vez primeira, ainda estranhas, e dançam um tango mistura de coreografia clássica com moderna. No principio dançam mantendo a distancia de duas pessoas que não se conhecem; na medida em que o tango avança tomam confiança.


“Nasci num bairro onde o luxo foi uma sorte,
por isso tenho o coração olhando ao sul.
Meu pai foi uma abelha  na colmeia
as mãos limpas, o alma boa…

E nessa infância, a temperança forjou-me,
depois a vida tendeu-me mil caminhos,
e soube do magnata e do batoteiro,
por isso tenho o coração olhando ao sul

Meu bairro foi uma planta de jasmim,
a sombra de mina mãe no jardim,
a festa doce das coisas mais simples
e a  paz na relva de cara ao sol.

Meu bairro foi minha gente que já não está,
as coisas que já nunca voltarão,
se desde o dia no que fui embora
com a emoção e com a cruz
eu sei que tenho o coração olhando ao sul!

Levo em mim a geografia do meu bairro,
será por isso que não parti para sempre,
a esquina, o armazém, a garotada
os reconheço… são algo meu…

Agora sei que a distancia não é real
e descubro-me nesse ponto cardinal,
voltando a infância desde a luz,
tendo sempre o coração olhando ao sul!”



SANDRA
As vezes que Miri chorou cantando esta canção. Claro, desde Venezuela, “sul” significava Argentina. (Pausa. Sorri) Nos sentávamos num café em Sabana Grande e púnhamo-nos a lembrar. “Lembra-se da rua tal?"  “Claro! E você, lembra-se daquela esquina, daquela fragrância, daquela luz essa manhã?" (Pausa) Inevitavelmente surgia o tema das comidas... os sanduíches de “miga”! Você pode acreditar que na Venezuela não há sanduíches de "miga"? Agora que o tempo passou, penso que há poucas coisas tão bobas como ter saudades de uma comida, mas então... (Pausa) E assim, entre lembrança e lembrança, a mesa ia-se enchendo de gente, gente que sabia que Miri cantava, amadora só, e então... o que lhe pediam?

DUNIA
Miri cantava, os olhos iam-se-lhe enchendo de lágrimas e no final, quase como se o tivesse preparado, como se fosse uma atuação, com a última frase... uma lágrima caia.


SANDRA (Agradavelmente surpreendida)
Tem boa memória.

DUNIA
As vezes que me contou por carta! Se parecia que as sextas pela noite, a única coisa que você tinha para fazer era ir a Sabana Grande escutar Miri cantar...(Cantarola “O coração ao sul”)

SANDRA
E a lembrar. E... eu também chorava, sabe? Por que quando arrancam-lhe de sua terra e lhe deixam sem raízes no ar numa terra alheia, que outra coisa pode fazer senão chorar?

Ficam um instante em silêncio.

DUNIA (Está emocionada mas trata de dissimular)
E o quê foi da vida de Miri?

SANDRA (Sorri com ternura)
Passou-se todo o exilo chorando porque não suportava a distância. Quando tudo acabou teve medo de voltar… como eu…e ali está, ainda em Caracas, cantando o mesmo tango, dizendo: “No próximo mês regresso para sempre”. E o próximo mês não chega nunca.

DUNIA
Estranho paradoxo. Vocês sentindo saudades por um país que nós queríamos abandonar, qualquer pais era melhor do que este. Não se imagina a inveja, sana, mas inveja no fim, que me dava cada vez que recebia uma carta sua e estava no México, na Londres, em Nova Iorque... Porque nós estávamos... bem, como estamos agora, longe do mundo.

SANDRA
E eu invejava-lhe quando em suas cartas falava-me de seus passeios pela cidade... por minha cidade, reduzida a ser um mapa colado na cortiça de meu cozinha.

DUNIA
Mas quando moravas aqui... que feio parecia-lhe tudo! Não fazia mais que criticar,
lembra-se? Não havia país pior do que este.

SANDRA (Zombando-se com carinho)
Nem melhor. Porque nós ou somos os piores ou somos os melhores, mas iguais... jamais! Porque isso de ser como os latino-americanos... por favor! Nós somos europeus... ou éramos? Desde criança e como uma ladainha escutei essa frase, como se o ser europeus nos fizesse especiais e melhores.

DUNIA
É verdade. Depois sacaneávamos contra o italiano, a galega, o russo, o francês. Mas como gostávamos de ser europeus!

SANDRA
Até que a guerra das Malvinas chegou. Deve haver sido duro acordar um dia e
repentinamente... horror!  ser latino-americanos!!

DUNIA
Imagine-se, se Victoria Ocampo dizia que em Paris éramos exilados argentinos e em Buenos Aires exilados europeus. Mas a guerra pôs-nos em nosso verdadeiro lugar geográfico.

SANDRA
Tomara que não precisemos de outra guerra para aprender o que nos falta. (Pausa longa) E bem, parece que vou ser condenada agora.

(...)

Caracas 1984-1992


A: 
Sonia M.Martin, sempre, por tudo; Yamelis Figueredo e Elly Messmer porque acreditaram em mim quando nem sequer eu acreditava em mim;  Doris Berlín pela vida que me deu; Rubén Rega por suas críticas e sugestões;  Fanny Arjona por sua amorosa compreensão.

Às vítimas das ditaduras e revoluções de direita, esquerda, centro...





Lê o livro grátis clicando abaixo:







 Porta Aberta ao Mar: vìdeos


Rosalinda Serfaty y Fedra López. Foto: Roland Streuli




Obra estreada o 14 de Abril de 2007 na Sala de Concertos do Ateneo de Caracas, Venezuela, no ciclo “Três dramaturgas do silêncio ao estalido”, em homenagem a Esther “Dita” Cohen.



       
Sandra                        Rosalinda Serfaty
Dunia                          Fedra López

   
Realização cenografia: Ramón Pérez Pina 
Telão: Jesús Barrios
Assistente direção: Carlos Ramírez 
Assistente produção: Sonia Diaz

Musicalidade: Eduardo Bolíva
Cenografia e figurino: Carmen Garcìa Vilar
Iluminação:Carolina Puig
Produção artística: María Eugenia Romero-Carolina Puig 
  
Coreografias: Luz Urdaneta
Diretor: Anìbal Grunn
Produção Geral:Benjamìn Cohen         












Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...